Uma lagrima.

26/01/2010 11 Lembretes .
Tudo começou naquele verão, um uma cidadezinha pequena; uma cidade isolada de outras grandes cidades, mais lá havia uma menina que ainda estava para descobrir um grande mundo.
Ela sonhava em ser veterinária, apesar das coisas que já havia passado; quebrado a pata de seus cachorros, soltado alguns passarinhos, ela nunca foi uma menina má.
Aquele verão parecia mais vazio do que nunca, ela havia perdido sua companheira de estimação, Dolly; era uma cachorra que não parava quieta, Deus sabe como aquela menina a amava, ela começou a comer lagartos... e acabou ficando muito doente mais que um animal de estimação Dolly era sua amiga, companheira de 9 anos juntas, mais esse não era o destino dessas duas...
Na hora do almoço sua avó chegou comentando sobre um uma cachorrinha igual a Dolly, que uma amiga ela tinha ganhado; só que ela não parava de fazer buracos em sua horta, e queria da-la para alguém que se interessa-se, há aquela menina ficou tão feliz por receber aquela noticia que queria ir na casa daquela mulher, e arranca-la dos braços dela na hora. Mais sua avó pediu um pouco de calma que ela iria lá pegar, que não era assim pegar e pronto.
Aproximando o final de tarde, aquela menina estava nas expectativas de receber a nova amiga, quando ela chegou; seu pelo era maravilhoso, branco com preto; o olhar mais lindo do mundo, como se fossem duas bolas de caramelo; suas orelhas caidas e aquele jeito dengoso de chegar de mansinho com medo. A antiga dona dela, havia falado que ela morria de medo de vassouras; deveria ser um trauma de quando ela era bem filhotinha, mais aquela menina não ligou e logo a chamava pelo nome: - Emmy.
Ela era igual um boneco, onde a menina ia ela ia também, para tirar fotos era a modelo da garotinha; era incrível como a Emmy posava para as fotos, parecia que ela sabia até o jeito de olhar para a camera.
Os dias foram passando e Emmy crescia cada vez mais, estava começando a soltar muito pelo; e seu avô vivia reclamando que a casa não parava limpa, e que era para colocar a Emmy na varanda assim ela ficaria mais a vontade para fazer as coisas e brincar, mais sinceramente ela ODIOU.
Ela adorava ficar debaixo do sofá, ficava quietinha, passava horas e horas procurando ela e quando viamos ela estava debaixo do sofá dormindo.
Os anos foram passando 1, 2, 3, 4; e a menininha cresceu, não que ela tinha esquecido de sua amiga, mais ela havia colocado algumas prioridades em sua vida; arranjou um namorado, e deixou de lado sua companheira. Era poucas vezes que aquela garota colocava ração para ela, banho era uma vez por mês... A menina mudou para SP, e perdeu um ano da vida de sua companheira; depois que ela voltou nunca mais foi a mesma, ela passava semanas sem ir ao quintal para fazer um carinho na sua cachorrinha...
Banho ela havia tomado 3 no ano passado inteiro, ela só se preocupava com os amigos que julgava ser de verdade e fazia feliz. Esquecera de quantas vezes ela havia chorado com aquele pequeno animal no colo, que sempre lambia suas lágrimas.
2010 nada mudou; as coisas só pioraram, aquela garota havia ganhado uma outra cachorrinha Bella, e não desgrudava um minuto dela, passou uma semana sem ir ver Emmy no quintal. Fora assim durante dias, quando um final de semana ela foi para a casa de seus pais visitar, e quando voltou para casa entrou e nem no quintal chegou; quando seu pai chegou e falou: - A Emmy esta doente você viu? Corre risco dela...
Aquela menina nem exitou em levantar, meia hora depois por descarrego de conciencia foi ver o que havia acontecido com aquela sua antiga amiga...
Seus olhos não eram mais os mesmo, estavam carregados de dor; ela não conseguia nem levantar ao tom da sua voz quando a chamava, a menina perdeu a força nos braços e pernas, viu que a unica coisa que ela amava estava deitada no chão pedindo um pouco de carinho, viu que seu coração estava batendo juntamente com o coração dela. A menina ajoelhou no chão, com as mãos leves pegou aquela sua amiga no colo, como se não houvesse nada mais em volta, com todo o carinho a colocou de pé;  o piso era muito liso então sua patinha deslizava e ela caia, a menina então segurou suas patinhas e de novo e a colocou de pé, desta vez ela conseguiu se firma, sua força de vontade era tão grande a vontade de viver era tanta que ela ainda andou pelo quintal um pouco... cambaleando para o lado mais ela conseguiu se recompor um pouco; então novamente ela virou as costas, mais dessa vez com o olhar mais triste ainda.
Passou o dia, e a menina decidiu voltar para casa de seus pais, já que sua avó levaria Emmy para o veterinário cuidar dela.

O choque


No dia seguinte parecia que estava tudo ao normal, quando o telefone tocou cedo, era sua avó avisando que Emmy estava com cançer no figado; como podia ter acontecido aquilo? Como era possivel uma cachorra tão forte quanto um trem, acontecer aquilo com ela? E ainda tinha adiantado que o veterinário tinha colhido amostra de sangue dela, para ver se era isso mesmo; tinha como operar o fígado é um dos orgões que mais recupera facilmente; parecia que estava tudo bem com você Emmy, não sabe como a menina ficou feliz em saber que você poderia se recuperar.
E hoje, o telefone toca cedo; de novo era sua avó, avisando que ela... que ela havia morrido.
Sua mãe a acordou para lhe contar o que havia acontecido, ela contou que a Emmy havia tomado um banho; tinha cortado o pelo, colocado um lasinho na cabeça, que ela estava linda. Tudo pareceu tão frio no mundo dessa menina, ela não chorou ela não manifestou nem um sentimento triste, apenas engoliu seco algumas salivas.

A Emmy era a melhor cachorra do mundo, ela nunca reclamou de nada; nunca foi de ficar latindo quando estava sozinha, nunca foi de ficar chorando do lado de fora por causa de frio. Quando ela recebeu uma nova companheira que era a Ully, uma labradora nossa era só alegria; ela brincava o tempo todo com ela e dividia a mesma casinha com ela, mesmo que a Ully fosse grande demais, ela comia a comida dela e não deixava comer, mais a Emmy não ligava... Lembro também quando a ganhei um gatinho e a Ully não gostou, a Emmy logo foi cheirando o gatinho e quando a Ully foi morder ela, a Emmy entrou no meio para não deixar e logo logo os dois foram ficando amigos, até dormir junto eles dormiam; ela adorava a Bella, e porque? Eu havia substituído ela, mais ela ainda me amava?
Eram poucas as vezes que eu dava banho nela, mais quando eu abria o portão da cozinha ela ja vinha rebolando a bunda (ela não tinha rabo); e ficava me olhando de cabeça baixa, qualquer sinal que eu fazia ela vinha mostrando a lingua. SEMPRE foi a melhor cachorra.
Hoje eu não vou ver ela, amanhã também não. Não consigo parar de chorar, porque ela era minha amiga 6 anos comigo e nunca me decepcionou, nunca me trocou por mais ninguém. Quando o pessoa falava ela não liga para você, você não cuida dela e eu a chamava ela vinha correndo para mim. EU sempre fui a dona dela, e hoje sei mais que tudo ela sempre foi MINHA filhotinha.

TE AMO MUITO EMMY!

11 Lembretes .:

  • Giuly disse...

    é...eu sei como eh querida, ja perdi 2. mas...vida q segue...vão vir outros pra te confortar.O texto ta ótimo, vc escreve muito bem.

    bjs

  • Anônimo disse...

    aaah, vai deiixar saudadee, HAHA, ela pulava em cima de mim com a pata suja, mas era uma boa garota ! :(
    ass; PH

Postar um comentário

 

©Copyright 2011 Eterno Efêmero