/o que eles vão dizer ?

01/07/2010 11 Lembretes .
" Vai ficar ou vai correr ? Vai Salvar ou esquecer ? Eu só quero que me ame até o pôr do sol . Os dias passam, passam as horas tocando temas com um piano desafinado; mais ou menos errado, mais ou menos parado, sem sentido, um pouco ignorado; gritos ecoam, selam memórias, marcam Deus ainda chora, sempre rimos e o mundo esquece o tempo da última prece e ninguém aquece, ninguém acontece; você sente na pele os dias estão frios, as noites estão quentes; caminham num labirinto de vento vestindo pouco a pouco o esquecimento, somos o que fazemos para mudar o que fomos mas se nada somos, virão apenas velhos outonos "


Em poucos minutos, ele fecharia os olhos para nunca mais abrir.
Ninguém entende o que realmente aconteceu; mais isso já não importa, o que importava mesmo era que seu passado e seu presente estavam ali; guardado juntos com ele, seu futuro e seus planos de nada valiam naquela hora.
Aquele dia estava tão correto, ele acordou cedo, tomou seu banho e caminhou até a porta para pegar o jornal, sentou-se na cadeira e tomou aquele café quente, pulou para a pagina de classificados (que não saia daqui, ele planejava comprar um carro novo para se livrar dos ônibus). Deu uma breve risada e dobrou o jornal em cima da mesa.
Ás 8h50min lá estava ele no ponto de ônibus, tantas pessoas olhando para ele; mais ele estava formoso com aquele terno que lhe dava tanto poder.
- Ei senhor, tem um trocado para me dar - um velho senhor sem as duas pernas estendeu-lhe a mão.
- Se eu lhe desce não estaria lhe ensinando a pescar e sim lhe dando o peixe - aquelas palavras soaram tão frias e ao mesmo tempo muito fieis a si mesma.
Algumas pessoas  continuavam o olhando mais aquilo era normal, um homem bem vestido; simplesmente ignorou um mendigo. Então estava lá seu ônibus, e logo após estava ele no seu trabalho; nunca foi fácil trabalhar na promotoria, ter de aturar casos públicos não era um grande e não era realmente seu sonho, mais era o que o sustentava.
O dia foi passando, e frases filosóficas, teorias e  frases feitas; eram o que percorriam seus lábios. A unica mulher que ele amava à deixou, por falta de amor? Talvez, mais ele não sabia exatamente como entender mulheres, então não fez questão de entende-la.
Familia ele havia largado no interior, quando se mudou para a capital (SP).
18h45min ele abriu a agua da banheira, aquele calor que suava os vidros e o espelho, o agradou. Brincando com aquele suor ele deitou-se na banheira e fechou seus olhos pela ultima vez.

O que ele fez em sua vida, foi dedicar-se ao seu trabalho; ele planejava em voltar com a Victoria, mais cai entre nós ele não sabia que ela já estava em outra, ela já estava para se casar. O tempo para ele sempre foi relativo, ele fazia as mesmas coisas, em sua cabeça ele estava separado dela a uma semana enquanto na verdade estava a 1 ano.
Da sua familia, ele não os via a quase 10 anos; a cidade grande como outras o estava engolindo; amigos? Ele teve alguns, mais nunca foi de correr atrás ou ligar para tomar aquela cerveja no final de semana.
Talvez o mendigo poderia sentir falta dele no outro dia, provavelmente a unica pessoa que ele rejeitou possa notar sua ausência.

11 Lembretes .:

  • @mark0_0 disse...

    Gostei da abordagem da sua postagem, relacionando o "lado b das outras pessoas invisíveis", não as que a sociedade escolheu para não enxergar, mas as que sumiram dentro da rotina, muito bom, estou te seguindo. Abraço!

  • Flávio Mello disse...

    Gostei, viu... acho que um dos melhores que li...
    que tenha escrito...
    parabéns...
    me fez refletir...

    F. Scott Fitzgerald, no seu livro A ERA DO JAZZ... fala algo parecido, não comparando, estou na fase dos 30... só penso em trabalhar...

    isso me deixa triste... mas penso no futuro da minha filha... em todo caso, rs... gostei muito... beijo meu

    F.M.

  • Nicole disse...

    Te encontrei no Blog do Felipe! Vim futicar e ai me encantei com os textos! Parabéns! Esse, em especial, mostra a importancia da sensibilidade! a importancia de olhar nos olhos! Te seguindo!

Postar um comentário

 

©Copyright 2011 Eterno Efêmero